segunda-feira, 29 de junho de 2009

SETEMBRO DE 2006

http://sptv.globo.com/Jornalismo/SPTV/0,,MUL1057879-16574,00-COMUNIDADE+AGUARDA+POSTO+DE+SAUDE.html

Posto de saúde foi abandonado
domingo, 3 de setembro de 2006
O Estado de S. Paulo SAULO LUZ
Moradores da região do Real Parque, Morumbi, Zona Sul, estão revoltados com a situação da Unidade Básica de Saúde (UBS) da Rua Barão de Melgaço, inaugurada em maio de 2004.
Logo após a inauguração, a unidade foi fechada pela Prefeitura por causa de irregularidades técnicas. Nunca mais reabriu. A situação é de abandono. "O prédio é agredido diariamente com pichações, sem contar as paredes mofadas, o lixo e o mato crescendo. Além disso, segundo laudo oficial, o imóvel corre risco de desabamento", afirma Denis Veiga Júnior, 45 anos, morador da região, que teme que a situação fique ainda pior.
Enquanto isso, a população se amontoa no antigo posto de saúde da região, na Avenida Augusto Monteiro de Barros, onde a Prefeitura paga aluguel.
"Nós pagamos por dois postos, mas só temos um. É um desperdício de dinheiro público", afirma Júnior. Segundo ele revelou ao JT, os moradores irão fazer uma manifestação no dia 15 de setembro. "Prevemos, ao menos, 200 pessoas", completa.
A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) divulgou, em nota de esclarecimento, que a UBS Real Parque foi transferida para um prédio doado pelo Instituto de Cidadania Empresarial. O prédio, entretanto, foi construído sem dimensionamento ou normas adequadas para o funcionamento de uma unidade de saúde.
Dessa forma, a SMS liberou recurso para a reforma de adequação do prédio e aguarda a finalização do processo de licitação para iniciar a obra.
O órgão diz, ainda, que o processo de licitação é demorado e "a Secretaria Municipal de Saúde, ou qualquer outro órgão público, nada pode fazer sem que antes ela seja realizada."
E CONTINUAMOS A REIVINDICAR....
A Unidade Básica de Saúde do Real Parque, que atende a três comunidades (Real Parque, Jardim Panorama, Porto Seguro além de uma parcela do Paraisópolis) padece de todo o tipo de carência: faltam medicamentos, médico e pessoal administrativo.
Enquanto isso, a população sofrida pelas enfermidades não encontra efetivo atendimento na UBS-REAL PARQUE, perambula por outras unidades do Butantã procurando o socorro que lhe falta na porta de sua casa. A Secretaria Municipal de Saúde, marcada pela inércia e pela absoluta falta de política pública de saúde, tem no improviso a sua característica mais evidente (quatro secretários de saúde em pouco mais de três anos); ainda não começaram as obras de reforma da UBS nova (mas, nem tanto), prometida para ser entregue em junho deste ano; não resolveu o problema de falta de pessoal como agentes de políticas públicas (antigos ATA´s) e médicos. O que dizer da qualidade de uma UBS em que há falta de Clínicos Gerais? Como se trabalha a prevenção e tratamento de doenças tipicamente femininas se há falta de médicos ginecologistas?
Cega, surda e muda ao caos no setor, a atual administração reduz a saúde a mera estratégia de marketing, solapando o Sistema Único de Saúde (SUS) todos os dias, privatizando (OS´s – Organizações Sociais) e terceirizando tudo o que encontra pela frente. O resultado é a tragédia diária de uma população desassistida e sofrida que, em pesquisas recentes, rejeitou com o índice de 70% a saúde da atual administração. Os graves problemas que atingem a UBS-Real Parque são recorrentes a todas as demais UBS´s da região: Jardim D´Abril, Jaqueline, São Jorge, Peri-Peri, João XXIII, COHAB e vai por aí afora.
De um lado a insensibilidade da prefeitura, de outro o povo organizado dá o devido enfrentamento ao caos na saúde e, de forma politizada, arranca da administração algumas conquistas. No Real Parque, mais especificamente, a licitação para a reforma do Posto foi uma grande vitória. Na cidade, a tentativa de golpe da Prefeitura contra o Conselho Municipal de Saúde foi rechaçada por amplos setores da sociedade civil organizada e pelo Poder Judiciário, que restaurou a ordem democrática na cidade de São Paulo e evitou que a Prefeitura instalasse um conselho fantoche, um conselho chapa-branca e que avalizasse a sua política de destruição da saúde pública e do SUS.
Implantou-se um sistema de atendimento, uma rede de computadores na UBS que vem deixando muito a desejar: não funciona, a toda hora cai o sistema, e mais, não deram treinamento aos funcionários causando uma verdadeira guerra no atendimento entre funcionários e população. Tem-se, assim, mais uma prova de uma verdadeira improvisação que causa filas imensas, discussões e até agressões. Assim, fartos de esperar, porque a doença não espera, o Movimento Popular de Saúde do Butantã exige o fim do caótico estado de saúde na zona oeste da cidade de São Paulo.
MANISFESTO PELA FALTA DE MÉDICOS
CARTA ABERTA A POPULAÇÃO
O Movimento de Saúde do Real Parque, por seus representantes abaixo assinados, vem, mais uma vez a público denunciar a situação de calamidade pública da UBS-REAL PARQUE, na qual faltam médicos e servidores capazes de atender com dignidade a população que todos os dias vãos em busca de atendimento aquela Unidade de Saúde.
A saúde no Real Parque encontra-se enferma, padecendo de moléstia ao que se sabe contagiante, já que todas as regiões da cidade sofrem cronicamente do mesmo mal, o improviso é a marca registrada da saúde no Real Parque e na cidade de São Paulo e sabemos os trágicos resultados da improvisação na saúde, improviso na saúde mata.
A população do Real Parque não tem descansado na luta por uma saúde de qualidade e pelo fortalecimento do SUS, no entanto, os problemas na UBS tem se acumulado a níveis insuportáveis, ultrajantes mesmos e por isso inaceitáveis, entretanto a SMS, tem se mostrado surda, muda e cega aos apelos da população, não havendo nenhuma resposta da supervisão técnica de saúde do Butantã, e tampouco da secretaria de saúde, aos ofícios, e aos abaixo-assinados entregues pela população, relatando a situação calamitosa em que se encontram A UBS REAL PARQUE, com a falta de médicos como CLINICOS GERAIS, GINECOLOGISTAS E PESSOAL PARA ATENDIMENTO NO AGENDAMENTO DAS CONSULTAS E EXAMES OS AGPP, A CADA CONCURSO FICAMOS AGUARDANDO QUE VENHAM NOVOS SERVIDORES PARA AJUDAR ACABAR COM AS INTERMINÁVEIS FILAS QUE SE FORMAM E CAUSAM DESENTENDIMENTOS E ATÉ AGRESSÕES ENTRE FUNCIONÁRIOS E POPULAÇÃO. MAS ATÉ AGORA NEM MÉDICO NEM SERVIDORES.
É bastante positiva a reforma da UBS, conseguida depois de anos de luta, entretanto, não queremos que os problemas persistam na nova UBS....
Neste sentido, exigimos providências imediatas contratação dos médicos faltantes e dos servidores necessários ao bom funcionamento daquela unidade básica de saúde.
Denis Veiga JuniorCons. Municipal Saúde
Vera Lúcia VieiraCons. Gestor Ubs.R.P.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog