segunda-feira, 30 de junho de 2008

BALAIO CULTURAL





Informativo Cultural do Grajaú

Edição Especial do Butantã

Reunimos neste Boletim algumas propostas da região, já apresentadas para o Movimento Nossa São Paulo por ocasião do 1º Fórum Nossa São Paulo: Propostas para Uma Cidade Justa e Sustentável, acrescidas de outras propostas que fomos recolhendo em diversos espaços e reuniões com grupos e lideranças locais.
Objetivo: divulgar e debater as propostas e exercer o controle social sobre as políticas públicas para a região.
DEMANDAS E PRIORIDADES DO DISTRITO DO BUTANTÃ, ZONA OESTE DE SÃO PAULO, PARA MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE VIDA E ACESSO AOS DIREITOS DE CIDADANIA
Organizadas por:
Rede Butantã de Entidades e Forças Sociais
CRSAN – Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional do Butantã

Movimento de Moradia Cohab Raposo Tavares
Instituto Pólis
Esta edição especial do Boletim Balaio Cultural para o distrito do Butantã é fruto da iniciativa das organizações acima mencionadas em parceria com o coletivo de jovens Balaio Cultural que solidariamente ..........

AQUI ESTÁ ENTRANDO UM PEQUENO TEXTO INTRODUTÓRIO (JANE FAZENDO)
Zona Oeste

Distritos administrativos: Butantã, Morumbi, Vila Sônia, Rio Pequeno e Raposo Tavares

Site: http://butanta.prefeitura.sp.gov.br

Email: butantanap@prefeitura.sp.gov.br

Telefone: 3742-7211

Endereço: R. Ulpiano da Costa Manso, 201- Bairro: Butantã - CEP: 05538-000

População total: 376779 habitantes

População de 0 a 10 anos: 63233 habitantes

População de 11 a 19 anos: 50754 habitantes

População com mais de 19 anos: 263104 habitantes

Fonte: SEADE - população estimada em 2007

Área geográfica total: 56,00km²



(Introdução)

(fazendo – vou pegar alguns dados da região)

SAÚDE
O CRAF Rio Pequeno, em suas reuniões da Comissão Local e nos trabalhos com as famílias tem discutido a importância do Programa de Saúde da Família nas duas Unidades Básicas de Saúde desta região (UBS Malta Cardoso e UBS Rio Pequeno), pois esse programa vem ao encontro da Política Pública de Atenção Básica à Saúde e precisa ser viabilizado e validado com relação a sua importância para um melhor atendimento da comunidade. Talvez fosse melhor fazer um breve texto mais abrangente, solicitando a ampliação da implementação do PSF em toda a Subprefeitura. Sugestão:

Ampliação do número de Unidades Básicas de Saúde com equipes de Programa de Saúde na Família, observando especialmente reivindicações neste sentido já formalizas pela população local nos casos do:

No distrito Rio Pequeno, onde a Comissão Local do Centro de Referência Ação Família tem levantado a necessidade de implementação do PSF nas UBSs Malta Cardoso e Rio Pequeno.

Lideranças do Real Parque solicitam médicos e AGPPs – Auxiliar de Gestão de Políticas Públicas – para a UBS do Real Parque e integração ao Programa Saúde da Família já que na comunidade indígena, que faz parte do Real Parque, já existe uma equipe de PSF.

Implantar o Programa de Saúde da Família na UBS do Jardim D’Abril que estava para ser estabelecido e iniciar seus trabalhos. Foi interrompido mesmo já contando com funcionários contratados para este fim.

Manter e melhorar o Centro de Apoio Psicossocial (CAPS) Butantã (de onde?) e reorganizar o CAPS Adolescente, que existia e funcionava nesta subprefeitura e que foi desativado. que foi desativado.

Construir uma Unidade Básica de Saúde na Cohab Raposo Tavares para servir às comunidades da Cohab Munk e Cohab Raposo Tavares, atendendo a deliberação já prevista no segundo o Plano Diretor Estratégico, para atendimento de população de aproximadamente 13.600 moradores, que para ser atendida na UBS Boa Vista precisam pegar dois ônibus ou, o que é comum, se deslocar a pé por cerca de 3 quilometros. Esse terreno pertence à COHAB – Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo – e atualmente está com o uso cedido a uma entidade evangélica. A cessão desse terreno vem sendo muito criticada pelos moradores de ambas as COHAB’s por tratar-se de área pública destinada à construção de habitação ou de equipamentos públicos, e não a usos privados. Sabe-se que essa concessão extinguiu-se há anos e que não poderia fazer construção em alvenaria: o que foi feito.

Justificativa: Estamos tratando de uma população de aproximadamente 13.600 moradores e o acesso à UBS do Jd. Boa Vista pode ser feito através de ônibus – 2 conduções para ir, 2 conduções para voltar – e sendo uma população pobre, que muitas vezes não dispõe de recursos para a condução, vão à pé, andando de 2 km a 3 km, beirando a Rodovia Raposo Tavares correndo riscos de atropelamento.

(At: Excluí um texto sobre um terreno que não dá para entender o que é. Seria importante ou completar o texto ou retirá-lo)

Lideranças do Real Parque solicitam médicos e AGPPs – Auxiliar de Gestão de Políticas Públicas – para a UBS do Real Parque e integração ao Programa Saúde da Família já que na comunidade indígena, que faz parte do Real Parque, já existe uma equipe de PSF.


Implantar o Programa de Saúde da Família na UBS do Jardim D’Abril que estava para ser estabelecido e iniciar seus trabalhos. Foi interrompido mesmo já contando com funcionários contratados para este fim.
Construir um Hospital, no Distrito Raposo Tavares, de alta complexidade já que o Hospital Universitário não atende a essa demanda. Justificativa: Hospital escola com objetivo de formação de estudantes e espaço de pesquisa. Originalmente o HU não deveria ser uma referência de atendimento à população em geral, o que hoje faz, atendendo a população pelo SUS em quatro áreas: clínica médica; clínica cirúrgica; pediatria e obstetrícia. Hoje o HU atende a mais emergências do que teria condições, uma vez que houve redução nos últimos anos do número de trabalhadores para este atendimento. O HU tem dificuldades no grande número de atendimentos que faz em seu pronto socorro de casos leves, que poderiam ser tratados pelas Unidades Básicas de Saúde, no entanto, a necessidade de agendamento para outra data deste atendimento em UBSs, faz com que a pessoa, sentindo dor ou mal-estar, procure o atendimento ambulatorial do Hospital.

ESPORTE CULTURA E LAZER
A comunidade do Sapé reivindica que o CDM – Centro Desportivo que existe dentro da comunidade receba manutenção, equipamentos e profissionais capacitados para o seu funcionamento adequado com o desenvolvimento de atividades e programas esportivos para a população local e para diferentes faixas etárias.

Construção de Espaço Cultural na Cohab Raposo Tavares, em espaço já reservado para este fim dentro da Cohab Raposo Tavares.

Alunos da FAU/USP desenvolveram esse projeto sendo o ganhador de prêmio na Suíça, pela sua qualidade e pertinência.

No distrito Raposo Tavares existe uma necessidade grande de espaços de cultura, lazer e esportivos. Não há nenhum espaço propício para encontros culturais na região.
Elaboração e produção de material de divulgação dos Parques existentes no Butantã (a região é privilegiada neste sentido, mas tem, por outro lado, uma grande deficiência na informação sobre as possibilidades de utilização e aproveitamento dos Parques).
Atividades culturais aos domingos, como sessões de filmes, teatro, dança.
Utilizar os auditórios dos CEUS, para apesentar vídeos, teatro, ações culturais que falem sobre a comunidade, sua história e realidade.

EDUCAÇÃO
A Comissão local do CRAF Rio Pequeno aponta: "Embora tenhamos 2 creches que atendeam essa região, é uma demanda urgente e constante, pois esse número é muito insuficiente para a quantidade de crianças de nossa região". A reivindicação de creches no Rio Pequeno já está se tornando histórica pela demora de atendimento. A Favela do Jd. São Remo, que tem cerca de 12 mil habitantes, apresenta já há mais de dez anos a reivindicação de creche em espaço próximo à comunidade, sendo esta solicitação já aprovada pelo Plano Diretor, pelo Orçamento Participativo e constando de previsão de destinação de recursos na Coordenadoria de Educação. No entanto o reconhecimento da necessidade não faz com que ela se concretize. Ainda com relação a creches nesta região, a Vila Dalva, que tem duas creches administradas e mantidas pelo próprio Centro Comunitário, sofre dificuldades freqüentes para a manutenção da qualidade deste atendimento, precisando com freqüência de grandes mutirões de apoio para evitar o seu fechamento.

Construir mais creches, especialmente no Distrito do Rio Pequeno.
Construir uma creche em espaço próximo à Favela do Jd. São Remo.Ampliar os recursos para as creches comunitárias da Vila Dalva, que atendem em sua capacidade máxima.++Construir e viabilizar uma Escola Técnica na região do Distrito Raposo Tavares, mais precisamente na Cohab Raposo Tavares e Educandário Dom Duarte. (então são duas?!)

Construção de uma Escola de Ensino Médio para atendimento à população do Real Parque e região circunvizinha.

MEIO AMBIENTE

Construir ciclovias ao longo da Rodovia Raposo Tavares.

Implantar mais Centros de Educação Ambiental na região da subprefeitura Butantã.

Garantir a continuidade de implementação dos Parques Lineares previstos para o Butantã, garantindo a preservação de córregos e requalificando estas áreas.
Executar o saneamento básico nas comunidades Favela do Sapé, Favela do Caramazal, Favela da Assunção e Favela 1010.
Destinar recursos e apoio técnico para projetos sociais na área de coleta seletiva e educação ambiental
Ampliar e fortalecer o programa municipal de agricultura urbana, incluindo cursos e formações para plantio em pequenos espaços.

GENERO / SEGURANÇA ALIMENTAR
Destinar recursos e apoio técnico para projetos de geração de renda no sentido de formação de grupos produtivos com enfoque na economia solidária e segurança alimentar.
Integrar as políticas para criança e adolescente e mulheres, com as políticas de saúde, abastecimento e segurança alimentar.
No Butantã já é reivindicação antiga a construção de mais creches especialmente no Distrito Rio Pequeno. Sabemos que esta não é uma reivindicação apenas para o Butantã, mas uma necessidade de muitas regiões de São Paulo.As mulheres é que mais sofrem com a ausência de creches.
Criação de equipamentos de assistência alimentar na região, bem como, restaurante popular, banco de alimentos, Centros de Referência em Segurança Alimentar, entre outros.

PODER PÚBLICO / PARTICIPAÇÃO POPULAR
Apoio às ações inter secretarias e à conversa entre diferentes segmentos – Ações relativas ao meio ambiente devem ser conjugadas: Sabesp + SVMA + Educação + Saúde + Movimentos sociais.

Implementação do Plano Diretor Estratégico da COHAB Raposo Tavares, desenvolvido pela comunidade em parceria com a FAU-USP em 2001.

A Subprefeitura do Butantã tem cerca de 400 mil habitantes e um único Conselho Tutelar, colegiado com cinco conselheiros. Já há alguns anos o Butantã vem solicitando a implantação de mais um Conselho Tutelar na região.
Acesso pela população à programação dos serviços públicos, tais como dias da coleta de lixo, limpeza dos córregos, entre outros.
Reforço à reivindicação de implementação dos Conselhos de Representantes junto às subprefeituras de São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog